FURG - DCF - Fisiologia

Fisiologia renal

Os compartimentos líquidos do corpo.
Líquidos intra e extra-celular. 

Objetivo A: Conhecer a distribuição de água dentro do corpo e listar as principais funções da água corporal.

A água é o elemento mais abundante no corpo (60 % do peso corporal em média) variando de 40 a 80 %. Essencialmente todas as reações metabólicas do organismo requerem a água. A água no corpo está distribuída principalmente em dois compartimentos: Líquido intracelular e líquido extracelular. O extracelular é dividido ainda em líquido plasmático (porção fluída do sangue) e líquido intersticial (fluído não entorno das células). Outros dois menores subgrupos incluem o líquido linfático e o líquido transcelular. O líquido trancelular inclui o fluído cérebro-espinhal (dentro do SNC), fluido intraocular (dentro dos olhos), líquido sinovial (dentro das bolsas sinoviais), líquido pericardial (na cavidade pericárdica), fluido pleural (na cavidade pleural), líquido peritonial (na cavidade abdominal).

 

Listar as principais funções da água no corpo.

A água é o solvente universal. Ajuda a regular a temperatura corporal, participa nas reações de hidrólise, lubrifica órgãos, provê às células de turgidez e colabora na manutenção da homeostase corporal.

Como a água corporal sofre mudanças segundo a idade, sexo e peso corporal?

IDADE: A água do corpo constitui 75-80% do peso corporal em crianças. O percentual decresce com a idade. Nas pessoas idosas a água corporal constitui 40-50% do total do peso corporal.

SEXO: A mulher tem menos água corporal porque tem maior proporção de tecido adiposo.

PESO: Pessoas obesas tem menos água corporal porque o tecido adiposo e de baixo conteúdo de água.

Os adultos, nos quais o percentual de água no corpo é maior em comparação á superfície (de pele) corporal, não são muito suscetíveis a desidratação. Pelo contrário, crianças pequenas tem alto risco de desidratação quando estão com hipertermia ou quando perdem líquidos por vômitos ou diarréia. Uma criança de 10 kg de peso tem em torno 1 litro de plasma, perda de 100 ml de líquidos através da pele durante estados febríeis constitui diminuição de 10% do total do volume sangüíneo. Por isso é crítico administrar líquidos rapidamente na criança com febre para manter a homeostasia.

 

Objetivo B: Definir os termos para descrever a concentração dos solutos (nos líquidos corporais).

Solução percentual:

% de solução = (gramas de soluto)/(100 ml de veículo)

Exemplo = se 200 ml de uma solução contém 5 gramas de NaCl dissolvido, a solução é denominada solução de NaCl ao 2,5%.

Concentração molar (molaridade)

O peso molecular (PM ou MW) de um soluto é igual à soma de seus constituintes.

Exemplo = NaCl é igual à soma do PM do NA (23) e o Cl (35,5) = 58,5. Então,

Molalidade = (gramas do soluto)/ PM. Peso (expressado em kg)

Molaridade = (gramas do soluto)/ PM. Volume (expressado em litros)

Também pode –se expressar assim: M = mi (g)/PM.V(l)

Exemplo = considerando a solução anterior 5g/58,5 moles de NACl em 0,200 l, temos que a molaridade é de 0,427. A solução então é chamada de 0,427 M de NaCl.

As gramas necessárias para preparar uma solução com a molaridade desejada pode-se calcular do seguinte modo:

Mi(g) = M. PM.V(l)

O balanço do compartimento extracelular (meio interno) é mantido pela regulação da osmolaridade dos fluídos. A regulação da osmolaridade do meio extracelular é regulado para impedir o murchamento ou o intumescimento das células. A osmolaridade é medida da concentração do número de partículas do soluto dissolvidas. Um osmol é igual a uma molécula-grama de partículas de soluto. Assim, uma solução contendo 1 molécula grama de glicose em cada litro tem uma concentração de 1 osmol/l. Se a molécula se dissociar em dois íons, como ocorre com o cloreto de sódio, então uma solução contendo 1 molécula grama terá uma concentração osmótica de 2 osmóis/l. A osmolaridade do líquido intra e extra-celular é normalmente a mesma.

-Qual é a concentração molar da solução de cloreto de sódio ao 0,9%?

NaCl 0,9g/0,100 litros

(9g/1l) (1mol/58,5g) = 0,154 mol/l

9g/58,5 = 154 mmol/l

-Como fazer uma solução de glicose isotônica?

A solução isotônica de glicose é aproximadamente igual a 280 mosmóis/l. Conhecendo que a molaridade e osmolaridade é a mesma para a glicose, sabemos que queremos uma solução com 0,28 mol/l. Então, utilizando a fórmula Mi(g) = M. PM.V(l) temos:

0,28.180.1 = 50g/l ou 5% é uma solução de glicose isotônica.

-Concentração média dos principais solutos do líquido extracelular e intracelular

Tabela 1 Concentração média dos principais solutos dos líquidos corporais

Líquidos

Na+

MEq/l

K+ mEq/l

Ca2+

mEq/l

Mg2+ mEq/l

Cl- mEq/l

AA mEq/l

Glicose mg%

Extrace-lular

142

4

5

3

103

5

90

Intrace-lular

10

140

1

58

4

40

0-20

 

Como são medidos os fluídos dos diferentes compartimentos ?

Utilizando a técnica de diluição indireta, uma substância específica exógena (corante, radioisótopo, etc.) é introduzido numa quantidade conhecida, a qual pelas suas propriedades químicas distribui-se uniformemente num compartimento. Tirando uma amostra representativa do compartimento é determinada a concentração dessa substância e podemos determinar o volume desse compartimento.

 

 

Volume do compartimento (ml) =

Quantidade conhecida da substância introduzida (volume x concentração)
-----------------------------------------

Concentração da substância no compartimento (mg/ml)

 

Compartimento

Substância utilizada

Total

3H2O, 2H2O, antipirina

Extracelular

Tiosulfato, inulina

Plasma sangüíneo

Azul de Evans

Os volumes dos compartimentos intracelular e intersticial são determinados indiretamente, por diferença.

OBJETIVO C: Qual é o significado da manutenção do equilíbrio ou balanço do líquido corporal?

Nas condições normais de equilíbrio o ingresso de líquidos é igual à saída de líquidos, assim, o corpo mantém o volume constante. Quando o volume de água que ingressa excede a perda existe um balanço positivo (hidratação). Contrariamente, quando a saída de água excede o que ingressa temos um balanço negativo (desidratação). A quantidade de urina formada são os dois principais mecanismos pelos quais a água corporal é regulada.

A concentração de água é regulada involuntáriamente através de osmorreceptores localizados no hipotálamo. Estes receptores são sensíveis a mudanças da osmolaridade do sangue e determinam quando é necessário mais ou menos concentração de água para corrigir a osmolaridade. Si mais água é necessária (sangue concentrado) é estimulado o centro da sede e mais água é ingerida. Também ADH é liberado da hipófise posterior para que água seja conservada a nível renal.

Ingresso de água

Saída de água

Líquido ingerido 1.400 ml Urina 1.500 ml
Nos alimentos sólidos

e semi-sólidos 800 ml

Pele 500 ml
Oxidação dos alimentos 300 ml Fezes 150 ml
Total 2.500 ml Total 2.500 ml

Se menos água é necessária (sangue diluído) a sede é suprimida e a liberação de ADH é inibida, sendo então maior volume de urina diluída.

Existe diariamente uma perda de água que não é percibida por nos. É denominada perda insensível de água e ocorre através da pele e da respiração.

Porque a perda o ganho não é acompanhada por perda ou ganho de solutos ?

Quando ocorre perda de água no compartimento extracelular, o líquido fica mais concentrado, o que se denomina hipertônico. Quando há ganho de água o fluído fica mais diluído o que se conhece como hipotônico.

A concentração normal de Na+ no plasma é 150 mEq/l. Si este nível tem uma queda baixo de 120 mEq/l, o resultado pode ser, letargia, coma e morte. A causa mais comum de queda na concentração de Na+ não é falta de sódio na dieta e sim é excesso de água.

Gastroenterite ou inflamação estomacal, levando a vômitos ou diarréias, podem levar a perdas de H2O e de solutos. Sim nesta situação a restituição ocorre soamente com água, isto levará ao individuo a hiponatremia (estado de baixa concentração de sódio).

Quais são as causas e sintomas de desidratação e hipovolemia e quais as respostas do organismo ?

Causas: diminuição do ingresso (consumo) por carência de água, ou problema psicogênico com recusa a beber. Aumento dos egressos (saída) por vômito, diarréia, perda de sangue, dreno por queimaduras, diabetes mellitus, uso de diuréticos, falta de ADH (diabetes insípida).

Sintomas: perda de peso, aumento da temperatura corporal, aumento da freqüência cardíaca, diminuição da pressão arterial e afundamento dos olhos.

Resposta: diminuição da secreção salivar e consequentemente resecamento da garganta e faringe, sintomas característicos produtores de sede. Adicionalmente a hipertonicidade do líquido cerebro-espinhal estimula a liberação de ADH da hipófise posterior, a qual combinada com aldosterona liberada pela adrenal, decresce a formação de urina estimula a sede.

 

O hormônio antidiurético (ADH), também conhecido como vasopressina é liberado da hipófise posterior ADH joga um papel muito importante na regulação do volume total de água corporal, do volume sangüíneo e da pressão arterial.

Desidratação ou incremento da osmolaridade plasmática aumenta a secreção de ADH. ADH causa aumento na reabsorção de água no rim (a nível de túbulo coletor) diminuído a eliminação de urina. Resultando num aumento de líquido, volume do pasma sangüíneo, da pressão sangüínea. Isto leva a uma diminuição da osmolaridade.

Diabetis insipidus é uma doença caracterizada por deficiência da secreção de ADH. Os sintomas incluem poliuria (5-25 litros de urina por dia), polidipsia, desidratação, febre, língua seca e delírio. O tratamento inclui a utilização de ADH sintética ou clorpropamide, substância hipoglicémica que aumenta a sensibilidade do rim ao ADH.

-Quais são as causas da hipervolemia, e quais as respostas do organismo?

Causas : excessiva administração endovenosa de líquidos, beber excesso de líquidos por problemas psicológicos, diminuição da eliminação de orina por falha renal, ou falha cardíaca congestiva.

Sintomas : diminuição da temperatura corporal, aumento da pressão venosa, edema e ganho de peso.

Resposta : a diminuição da osmolaridade nos líquidos corporais no hipotálamo causa inibição da sede e a liberação de ADH e aldosterona. Com diminuição do ADH e aldosterona aumenta a formação de urina.

Objetivo D. Como se diferenciam eletrólitos de não-eletrólitos?

Eletrólitos são substâncias químicas formadas pela ligação de íons que podem dissociar-se em íons eletricamente carregados (cátions e ânions) quando dissolvidos nos líquidos corporais.

Exemplo de eletrólitos são ácidos, bases e sais. Os não eletrólitos são formados por ligações covalente, eles não ionizam quando quando dissolvidos nos líquidos corporais. Os principais compostos orgânicos são não eletrólitos.

Funções dos eletrólitos

- Controle da osmolaridade dos compartimentos líquidos

- Manutenção do equilíbrio ácido-base nos fluídos orgânicos.

-Atuam no metabolismo dos minerais essenciais.

-Participação da atividade celular.

 

Maiores Informações:  Prof. Dr. Pablo E. Martinez

Página criada em: 21/09/98
Última modificação: 22/10/03 04:19

 
Webmaster:
Euclydes A. Santos